• Sofia Botelho

Meu primeiro diário têxtil


Há alguns dias, a Melody Hoffman, designer francesa que é uma super referência para mim, postou no instagram o seu Knitting Journal, uma espécie de diário no qual ela registra o seu processo de criação de receitas. O journal dela é um caderno de papel kraft e suas páginas são recheadas de anotações, ideias e até mesmo amostras dos seus projetos. Ela comentou que tem outro caderno mais "bagunçado", que ela usa quando está criando as receitas e precisa fazer anotações rápidas. No entanto, ela gosta de ter um journal para organizar suas ideias, inspirações e croquis de forma mais zelosa e caprichada. Fiquei bem inspirada ao ver o diário da Melody e logo quis fazer esse exercício de manter um diário dos meus projetos.


Eu costumo fazer com frequência uma lista de quais projetos estão em minhas agulhas e quais eu planejo fazer no futuro próximo. Colocar as coisas no papel é um processo que sempre me ajudou a aliviar a mente. Dessa forma, não me sinto sobrecarregada pelos projetos que estou fazendo e pela lista interminável de projetos que tenho desejo de fazer algum dia. Ainda assim, a ideia de registrar em um caderno a história de cada projeto, em detalhes, pareceu-me um exercício gostoso. Creio que vou adorar perscrutar esses diários no futuro, pois vou lembrar das circunstâncias em que teci determinada peça, qual fio escolhi, o que mais gostei de fazer naquela receita, que tipos de projetos me atraíam, etc.


Sendo assim, lá fui eu desengavetar meus materiais de papelaria: canetas, washi tapes, adesivos e marcadores. Fazia tempo que minha mesa de trabalho não via outra coisa além dos meus fios e agulhas! Foi divertido planejar a capa do caderno e combinar os elementos. Entretanto, não quis ser tão esmerada no planejamento das páginas, pois quero que preencher o meu diário realmente se torne um hábito. Creio que se fizesse um diário muito elaborado, como alguns bullet journals que vemos por aí, impecáveis e lindos, acabaria abandonando-o no futuro, por falta de tempo ou de vontade. Logo, tentei fazer assim: com capricho, mas sem estresse!


Atualmente tenho três projetos pessoais nas agulhas. Um de tricô, um de crochê e um terceiro de crochê tunisiano. Gosto de alternar entre as técnicas, pois quando as mãos cansam de um movimento, alterno com outras agulhas e posições. Além disso, a experiência em uma técnica complementa a outra. Na verdade, um dos projetos acabou de ser concluído - e este foi o escolhido para a primeira página do meu diário. Aliás, vocês já conhecem o dito cujo. É o meu Xale Leque azul, do post anterior. Finalizei ele ontem e agora ele está passando pelo processo da blocagem.

Pensei durante algum tempo em como seria a disposição dos projetos no diário. Gostei da ideia de fazer uma página para cada projeto, assim deixo as informações bem concisas e visualmente mais interessantes. Procurei anotar a receita, a autora da receita, a data de início e de finalização e algumas observações pessoais. Ah, achei bem fofa a ideia de incluir a matéria têxtil no diário, como a Melody fez no Knitting Journal dela. Então separei alguns restinhos de fio do material utilizado em cada projeto e os dispus dessa maneira no caderno, juntamente com os rótulos dos novelos. Como estes projetos já estavam em andamento, nem sempre eu sabia quando havia começado e outras informações. Nos próximos, quero acrescentar mais alguns detalhes sobre o processo de tecer cada peça, meus momentos favoritos, etapas concluídas e tudo o mais. Ah, e também quero incluir minhas amostras no diário, se for possível.

O segundo projeto é de tricô. Estou tecendo a blusa Trescao, da Anna Dervout (@along.avec.anna). Este é um projeto que tem me introduzido a algumas técnicas de modelagem no tricô muito interessantes, como as german short rows. Achei legal colocar essas informações de aprendizado na página do projeto, para recordações futuras. Vou saber o que cada projeto me ensinou. Procurei combinar as washi tapes com a carinha de cada peça e assim deixar cada página ter o seu perfil assim como cada peça é única. Minha blusa Trescao está na reta final: agora só falta tecer as mangas!

Por último, um projeto que ainda está em seus estágios iniciais. Comecei a tecer meu xale Loveland durante o CAL ("crochetando junto", em inglês) da designer americana Toni Limpsey (@tlyarncrafts). O xale é em tricô tunisiano e estou estreando minha agulha de tunisiano com cabo. Talvez esse projeto ocupe duas páginas do caderno, pois agora poderei ir anotando todo o processo. A receita do xale é dividida em etapas, então quero registrar a data em que terminei cada uma delas.


Adorei o exercício de criar um registro para os meus projetos nesse formato! Pude aproveitar meus materiais de papelaria para criar um objeto que me trará muita alegria no futuro, ao reviver as histórias de meus projetos concluídos e revisitar a Sofia que os teceu. Uma prática um tanto terapêutica de escrita, um momento gostoso de pausa e reflexão, um estímulo à criatividade. Ah e o melhor: minhas mãos também puderam descansar um pouco do crochê, enquanto eu continuei pensando nos meus fios e projetos! rs Achei legal compartilhar essa ideia por aqui. Assim como o journal da Melody me inspirou, espero que este post também te inspire a inventar o seu próprio diário têxtil! Se você fizer um, compartilhe comigo ou use hashtag #diariotextil para a gente poder ver como a criatividade de vocês vai se expressar em seus diários.

Com carinho,


Sofia

267 visualizações

©2020 por Ateliê Ítaca.

Todas as fotos e textos publicados são produzidos por Sofia Botelho, do Ateliê Ítaca, exceto quando sinalizado.